Montanhas do Paraná e do Brasil

Montanhas do Paraná e do Brasil

Compartilhe

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Um sonho realizado – Janela da Conceição



Patrick, Reginaldo, Arildo e Edinaldo Couto
Na década de 1950 para a construção da Usina Hidrelétrica Parigot de Souza foi construído uma grande obra de engenharia que deixou marcas na história nas matas e montanhas da região, que abrigam curiosas estruturas em ruínas. Uma dela é a Janela da Conceição, um túnel de um pouco mais de 1200 metros de extensão. Cravadas nas proximidades das montanhas do Pico do Paraná, Ferraria e Taipa. Eu pouco conheço esse “Elo Pedido do Paraná”, mas com certeza reserva muitas histórias e lendas, que vale a pena estudar a fundo. E fazia muito tempo que eu queria conhecer esse lugar tão misterioso. No começo do ano, Edinaldo e Patrick me convidaram junto com um grupo de conhecer essa obra do homem. Infelizmente por falta de tempo e pela trilha que estava muito difícil de passar e encontrar tivemos que abortar a caminhada para a nossa segurança. E claro que um dia ou outra essa oportunidade iria bater em minha porta novamente. E bem no dia 4 de junho, um feriado, surgiu novamente a oportunidade que eu precisava para conhecer esse lugar.

Eu, Patrick um “parceraço” de montanha, Edinaldo Couto e Arildo que conhecia bem a região resolvemos pegar essa data para encarar e tentar chegar à Janela. Sabendo que o tempo era curto, partimos bem cedo de Curitiba destino Antonina – Bairro Alto. Para se chegar a esse bairro, bem antes de chegar à cidade de Antonina, pegar a estrada que segue para Cacatu/Cachoeira de Cima e segue até o final dessa estrada. Deixe o carro na fazenda do senhor Antonio.

Chegamos à fazenda umas 08h00min da manha e não perdemos tempo, começamos nossa caminhada, os mosquitos estavam nervosos e mordendo legal. Como estávamos em apenas quatro pessoas a caminhada começou a render, logo começamos a avistar o Pico Paraná e seus ilustres vizinhos do maciço Ibitirati e do União, bem como as montanhas menores que o rodeiam pelo leste e pelo norte, como o Tupipiá, o Ibitipaú, o Ibitiguira, o Jacutinga, o Saci e o Sacizinho. Em 01h50min já chegamos à primeira ponte com uma estrutura de madeira, estávamos bem adiantado. A trilha estava bem aberta, pois o pessoal do AMC (Associação Montanhista de Cristo), tinham passado umas semanas atrás facilitando nosso caminho, nesse trecho até chegar as torres de energia foi bem tranquilo, o problema era chegar até a primeira ponte de ferro. 

Chegamos à primeira ponte de ferro depois de umas duas horas e meia de caminhada. Ali mora o complicado de chegar à Janela, simplesmente aparece muitas trilhas e muitas delas leva ao erro, e a desistência, o segredo é passar entre duas grandes arvores, mas mesmo assim é preciso cuidado para não errar o caminho. Logo encontramos a segunda ponte de ferro, algumas estruturas de concreto e depois de 03h20min de caminhada chegamos à tão sonhada Janela da Conceição. Eu e o Patrick tivemos a honra de abrir a porta, pois dos quatro somente nós dois ainda não conhecia esse túnel. De cara encontramos vários morcegos que assustados voavam entre nós o tempo todo. A entrada que era o único ponto de luz da Janela logo foi ficando para trás, em alguns trechos estava seco, mas logo percebemos que não seria mais possível passar sem molhar os pés.

Chegamos ao final do túnel aonde existe uma porta lacrada, tiramos algumas fotos, e voltamos, de longe avistava apenas um pontinho de luz, era a nossa saída. Depois de ficar com os pés molhados e felizes por encontrar essa beleza. Fomos conhecer a cachoeira dos cabos, quem fica bem próximo a primeira ponte de ferro. Fizemos um lanche e partimos para o nossa caminhada final. Resolvemos dar uma parada na Piscina do Elefante. Um complexo em ruínas que mostra os sinais das comportas e saída de água em dupla tubulação que descia até a casa de máquinas da hidrelétrica. Tiramos algumas fotos e voltamos, o próximo destino agora era a Cachoeira do Saci, infelizmente eu estava com as minhas unhas do pé bem machucado, então para mim até ali já estava bom. Continuei minha caminhada até a fazenda onde estava o carro, e esperei por mais uma hora o Patrick, Edinaldo e Arildo, que foram visitar a cachoeira. Foram mais ou menos oito horas de caminhada. Conhecer essa obra do homem foi muito interessante, o que eu reconheci nisso, como naquela época, era possível construir tudo isso sem a modernidade que temos hoje. E também com o Brasil desperdiça dinheiro com obras publicas. Por mais que seja algo que está no passado e que faz parte da historia do Paraná. Isso mostra que até naquela época os políticos faziam as obras e leis sem nenhum planejamento. É lamentável isso! 



Amanhecer na serra, ao fundo Pico 7, Mãe Catira e Pequeno Polegar




Estrutura abandonada 
Ponde de madeira improvisada em dias molhados é impossível passar em pé


Ponte de ferro totalmente tomada pelo tempo

Ultima ponte de ferro antes de chegar na Janela





Maciço do Pico do Paraná


Janela da Conceição



Muitos morcegos






Porta lacrada


Mais uma estrutura abandonada



Cachoeira dos cabos

Piscina do Elefante

Na direita se avista o Leste do Ferraria.

4 comentários:

Patrick f jarwoski disse...

espetacularrrrr bora pra proxima

TIAGO TEODORO disse...

Simplesmente, sensacional! Parabéns a todos os guerreiros. Acompanho as aventuras do montanha ativa há muito tempo, sou de Paranaguá e gostaria muito de acompanhá-los em uma das expedições.

TIAGO TEODORO disse...

Simplesmente sensacional!

Reginaldo Mendes disse...

Tiago sera sempre bem vindo, e muito obrigado mesmo.
Quando tiver uma oportunidade lhe aviso.
No facebook tem uma comunidade chamada Trilhas e Trilhas, la sempre tem ótimas aventuras para vc.

att

Reginaldo Mendes